quarta-feira

O que dizem as sondagens - por Pedro Adão e Silva -

O que dizem as sondagens

Se, no dia das eleições, for este o resultado de PSD e CDS, os partidos baixarão a fasquia simbólica dos 2 milhões de votantes e terão o seu resultado mais baixo de sempre em legislativas. As eleições de 2005, com Santana Lopes e Paulo Portas, representam o mínimo do voto somado nos dois partidos (36%). Em 2009, PSD e CDS, somados, tiveram 40% dos votos (exclusivamente por força de um crescimento do CDS por relação às eleições anteriores) e é preciso recuar à Constituinte para PSD e CDS terem resultados mais fracos do que aqueles que agora se anunciam nas sondagens. Ou seja, o resultado espetacular da coligação nas sondagens corresponde aos seus mínimos históricos. Seria inesperado que o núcleo duro do eleitorado do centro-direita não se mostrasse disponível para votar no PSD e CDS coligados. Com um eleitorado natural, em contexto de derrotas eleitorais, sempre em volta dos 40%, o que a coligação está a conseguir é fixar os seus votantes mais fieis. Por mais malfeitorias que tenham sido feitas no Governo, surpreendente seria que isso não acontecesse.
O que é, de facto, novo na política portuguesa é o principal partido da oposição não estar a crescer como no passado. Isto é, nas legislativas pré-crise de 2008, as perdas do PSD tendiam a corresponder a ganhos do PS e vice-versa (mesmo que isso não correspondesse a transferências diretas de eleitores). E o que é que pode explicar esta tendência?
Desde logo, uma erosão, bem mais lenta do que nos outros países da Europa do Sul, dos partidos que tiverem responsabilidades governativas desde as transições para a democracia. A crise financeira, económica e social traduz-se também numa crise de legitimidade dos partidos centrais (por todos, leia-se o excelente livro de Ignacio Sánchez-Cuenca, "A Impotência Democrática"). Apesar de tudo, a excepcionalidade portuguesa a este propósito continua a ser notável.
O que explica então que, hoje, o PS mantenha apenas, em média, cerca de dois pontos percentuais de vantagem face à coligação?
Em primeiro lugar, a responsabilidade pela crise. Foi com o PS no Governo que o país pediu o resgate, o que naturalmente continua a marcar os socialistas. Depois, claro está, o processo Sócrates, que, por mais demarcação que António Costa procure fazer, pode estar a penalizar eleitoralmente o PS. E, ainda, os bloqueios estratégicos da política europeia, que diminuem a margem de manobra dos Governos nacionais.
Mas o próprio desenrolar da campanha não é independente das sondagens. A este propósito, convém separar o ruído (no qual os políticos, jornalistas e comentadores se tendem a concentrar) dos sinais (os fundamentos que podem determinar o voto). A agenda mediática está muitas vezes sobreexposta ao ruído (veja-se por exemplo o episódio dos outdoors que marcou Agosto), mas o que conta são mesmo os fundamentos.
A performance da economia, seja a sua degradação, seja a lenta recuperação do emprego, ajuda a perceber a evolução da tendência de voto no PS e na coligação PaF; as mentiras de campanha há 4 anos, que aliás tiveram várias réplicas ao longo da legislatura (as últimas das quais com a resolução do BES, que foi anunciada como não tendo custos, algo que todos já perceberam que não seria nunca possível), geram um problema sério de credibilidade do primeiro-ministro Passos Coelho; e a forma taticamente eficaz como a coligação tem conseguido fazer da pré-campanha um escrutínio às propostas do PS, enquanto se escusa a apresentar um programa, ao mesmo tempo que esconde os compromissos assumidos no Programa de Estabilidade entregue em Bruxelas, dá um suplemento de oxigénio aos partidos de Governo.
O que não sabemos, ainda, é que efeito têm as sondagens no voto. Não seria a primeira vez em que sondagens com empates técnicos a semanas das eleições se transformavam em vitórias folgadas. Do passado vale a pena recuperar, a título de exemplo, as legislativas de 1991 e as de 2011. No verão de 91, as poucas sondagens existentes davam um empate entre o PS liderado por Jorge Sampaio e o PSD de Cavaco Silva. A 6 de Outubro, o PSD teve o seu melhor resultado de sempre (50,6%); e nas últimas legislativas, Sócrates disputava a vitória com Passos Coelho até perto das eleições para depois perder por uma diferença de 10 pontos percentuais.
Quer isto dizer que as sondagens erram? Não, quer dizer que têm também um efeito no voto. Resta saber se, agora, o PSD e o CDS estão em condições de crescer para além do seu núcleo eleitoral mais fiel ou se, pelo contrário, a perspetiva de eleições disputadas e o espectro da vitória de Passos Coelho ajudam o PS a bipolarizar e a mobilizar o eleitorado que, convém não esquecer, rejeita por uma larga maioria o Governo.
____________

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home