terça-feira

Um mau negócio - por Luís Meneses Leitão -



Apesar disso, Durão Barroso veio a Portugal, depois de ter celebrado um estranhíssimo “acordo de parceria” com um estado-membro de 26 mil milhões de euros, e declarou que era “uma pipa de massa, este dinheiro deve ser bem aplicado, que se calem aqueles que dizem que a União Europeia não é solidária com Portugal e com os países da coesão, trata-se agora de aplicar bem esses fundos”. Parece assim que depois da fase das ameaças de que estaria “o caldo entornado” se o país não aplicasse as medidas de austeridade, entrámos agora na fase do bodo aos pobres. Desiluda-se, porém, Durão Barroso, se julga que com esta encenação impede a discussão séria sobre quem está efectivamente a ganhar com a UE. Já diz o povo que com papas e bolos se enganam os tolos.

  • Professor da Faculdade de Direito de Lisboa.
_____________

Obs: As palavras e as expressões do povo, por regra, têm razão. Barroso tem utilizado as instituições europeias a sel bel-prazer, para interesse e conveniência politica e partidária próprias, o que colide frontal e duplamente com o interesse europeu e com o interesse nacional português. Manipular a importância dos Fundos comunitários para criar um clima amigo junto da opinião pública - e publicada - pode ter um efeito de boomerang que só o descredibiliza à luz de todos.  Parece que foi o que sucedeu. 

Primeiro, Barroso deserta do país, na posição de PM para ir comandar a eurocracia europeia. Uma vez lá, destroi o legado de Jacques Delors e subtrai o tradicional peso institucional global da Europa no Mundo. Além de deixar a Europa entrega à Alemanha.

Agora, em vésperas de eleições várias, deixou a Europa entrega à sua sorte e pretende recuperar o poder e o prestígio perdidos quando desertou de Portugal e andou pela Europa a fingir que coordenava as políticas públicas europeias. 

Que nome se dá a isto?!

_________________________

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home