terça-feira

Vamos pagar para privatizar a TAP - por Nicolau Santos -


________________

Nota prévia: Este Governo, que representa um verdadeiro acidente aéreo na casa das máquinas em S. Bento, 24 sobre 24h. na miserável condição dos portugueses - cuja vida empobrece em impostos e má governação - procura libertar-se de todos os activos públicos para, assim, equilibrar as finanças públicas, não ter chatices laborais e transferir os custos de gestão duma empresa pública para as mãos de privados. Pura ilusão, só cultivada por verdadeiros ingénuos no Governo, a começar por Pires de Lima, que sabe tanto do sector aviónico como Passos Coelho de contribuições à Segurança Social ou Paulinho Portas acerca de submarinos... Basta ver e ouvir Pires de Lima 20 segundos para perceber que ele anda por ali a apanhar bonés... Mas a cota do CDS tinha de ser preenchida neste governo, e foi o melhor que se arranjou!!! Se calhar é a esta elevada preparação em recursos humanos - que Portas se referiu no outro dia, quando reportava que o partido do táxi tinha quadros de alto gabarito... 
- Não só o Estado terá de assumir um brutal passivo da empresa (como sublinha Pais do Amaral), se quer viabilizar o negócio, como acaba(rá) por perder a principal empresa-bandeira do país com valor estratégico para a economia nacional, em particular para o importante sector do turismo nacional. 
- Em vez de o Governo sanear a empresa, torná-la mais competitiva e elevar o seu valor de mercado a fim de vender uma parte do capital social (minoritário) da TAP - ficando o Estado com a maioria da sua estrutura accionista, este Governo, por ser miserável, acabará por vender o ouro, os dedos e ainda ficar refém dum empresário sem escrúpulos no sector da aviação comercial. 
- O que não é de surpreender num Governo de equivalente quilate. O que prova que os bons espíritos sempre se reencontram... No chão, ou no ar..e, claro, com a ajudinha mafiosa do dr. Miguel Relvas, um íntimo de Germán Efromovich, a quem passava todas as informações quando estava no Governo. Aliás, no Governo era esse o seu papel... 
- Em breve saberemos se Pais do Amaral tem razão. 
_______

Vamos pagar para privatizar a TAP

Na sua fúria privatizadora, que já mais que duplicou os 5000 milhões que estavam contemplados no memorando de entendimento com a troika, o Governo entrou agora num sprint alucinante para despachar para o setor privado tudo o que seja da esfera pública. Ora como se sabe, depressa e bem há pouco quem. No caso da TAP avolumam-se os indícios de que vai acabar mal.
Felizmente, não apareceu só uma proposta, como aquando da anterior tentativa de venda da transportadora aérea, mas três. Uma já caiu, a que era liderada por Miguel Pais do Amaral, a única que tinha algum toque nacional. As outras duas, a da Azul e da Avianca, falam brasileiro – e o mínimo que se pode dizer é que nas duas experiências anteriores em que estiveram envolvidos investidores brasileiros, Cimpor e PT, as coisas não correram nada bem.
Mas demos de barato que uma vez não são vezes e que agora a TAP ficará em boas mãos, qualquer que seja a escolha. De parecido as propostas falam num rápido reforço da frota e na reserva de uma percentagem de capital para os trabalhadores, para além, claro, de algum dinheiro que tem de ser investido rapidamente na companhia, dada a situação dramática porque passa a tesouraria da empresa. Será que basta?
Olhemos para a entrevista que o candidato já afastado deste processo, Miguel Pais do Amaral, deu ao Jornal de Negócios. Diz ele, entre outras coisas: «Aquilo que aconselha a experiência de privatizar uma empresa com estas características é que se deve sentar à mesa o vendedor, os credores, os trabalhadores e o comprador. O comprador não está disposto a passar um cheque sem garantir estabilidade laboral nem sem ter a garantia de que os credores estão de acordo com o plano e que eventualmente o vendedor assume alguma da dívida».
O COMPRADOR DA TAP VAI QUERER QUE O ESTADO ASSUMA PARTE DA DÍVIDA; QUE GARANTA QUE AS ATUAIS CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO NÃO SEJAM ONERADAS; E QUE OS CREDORES NÃO EXIJAM DE IMEDIATO AQUILO QUE TÊM A HAVER
E mais à frente: «É extraordinariamente difícil (cumprir o caderno de encargos). Não está previsto que o Estado assuma dívida, mas não sei se algum dos proponentes está disponível para ficar com a TAP sem que o Estado Assuma ou garanta uma parte. Este processo pode não chegar ao fim, atendendo a uma enorme pressão de tempo, à instabilidade laboral, à situação da empresa e à situação dos credores».
Pais do Amaral insiste várias vezes na mesma tecla: «Considero altamente provável (que o Estado tenha de assumir parte da dívida) para que a empresa seja privatizada»; «não há alternativa» (a que o Governo faça cedências)». E até estima o valor em causa: de 200 a 400 milhões – o que até parece pouco para os mil milhões que constam do passivo da empresa.
É claro que podemos desvalorizar tudo o que diz Pais do Amaral e levar as suas palavras à conta de dor de cotovelo. Mas um mínimo de experiência e de bom senso leva-nos a acreditar nisso mesmo: que o comprador vai querer que o Estado assuma parte da dívida; que garanta que a mudança de dono não leve a que os bancos que financiam a empresa onerem as condições de financiamento; e que os credores não exijam de imediato aquilo que têm a haver.
Por outras palavras, para vender a TAP antes das eleições legislativas, como pretende, o Governo vai ter que acabar por ceder nalgum ou nalguns destes pontos, sob pena de não conseguir cumprir a sua promessa. E ao fazê-lo é não só provável que o processo seja menos bem sucedido do que poderia ser se fosse executado com mais tempo, como que sobre alguma fatura para os do costume: os contribuintes. Entre 200 ou 400 milhões, como estima Pais do Amaral. Coisa pouca para quem está a pagar quase 5 mil milhões pelo BPN e irá pagar alguma coisa pelo BES.
_________

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home