quarta-feira

Racismo e preconceito – por Carlos de Matos Gomes

A eleição que a direcção do Partido Socialista entendeu levar a cabo para escolher o seu candidato a primeiro-ministro teve um efeito colateral:fez estalar o fino verniz que cobre o racismo de muito boa gente com quem nos cruzamos nas ruas, nos ecrãs de televisão e nas colunas dos jornais. De gente que nos dá conselhos sobre o défice, o sistema político, a forma de sermos felizes. Isto a propósito da cor da pele de António Costa. link

A propósito desse assunto, que eu julgava fazer parte das seções de tratamentos de beleza das revistas de cabeleireiros e barbeiros, li e ouvi de tudo, não só de idiotas assumidos e reconhecidos, mas de gente que julgava imune a essa doença. E o mais surpreendente foi verificar que o preconceito era transversal, vinha de mulheres e de homens, de pessoas que se afirmam progressistas, liberais, abertos e de conservadores e reaccionários das velhas cepas do salazarismo e do colonialismo. Só faltou o velho anúncio do restaurador Olex de não ser natural um preto com carapinha branca.

O preconceito racista – neste caso contra António Costa – prova a existência nos aparelhos políticos da noção de que vale tudo na luta política, à esquerda e à direita. O preconceito racista expôs as contradições dos dois grandes grupos da sociedade com os elementos caraterizadores das suas ideologias. Os conservadores, a direita nacionalista, que se assumem como os verdadeiros patriotas, os herdeiros das glórias da nação que “deu mundos ao mundo” entram em conflito com a História de Portugal, que glorificam e restringem à época de ouro dos descobrimentos e da diáspora colonial. Uma certa esquerda, herdeira das revoluções francesa e russa, entra emconflito com as ideias de igualdade.

O recurso ao argumento da cor da pele – um não branco, um hindu, um preto, um monhé, um chamussa  – por parte daqueles a que Eça de Queiroz classificoude patrioteiros revela como o discurso salazarista do Portugal do Minho a Timor, todos iguais, todos portugueses não passava de um slogan para explorar os que não eram brancos. Mais, revela como os exemplos da Exposição do Mundo Português de António Ferro e de Henrique Galvão e da História do Matoso para o 2º ciclo dos antigos liceus, utilizados pelo regime durante 40 anos não passavam de pura e reles propaganda: o caso tão cantado da política de miscigenação de Afonso de Albuquerque na Índia afinal era e é uma treta. Os patrioteiros acham bem que os valentes marinheiros portugueses tenham copulado com mulheres indianas, mas não aceitam os seus filhos como portugueses de pleno direito. Cantaram e apaparicaram a teoria do luso-tropicalismo de Gilberto Freyre, mas afinal acham que os mulatos só são bons para cantar, dançar e jogar à bola.

Mas nem tudo é ideologia. Há o mercado, claro. O preconceito racista agora revelado contra António Costa tem também uma forte componente de oportunismo político e partidário. António Costa entra no mercado dos votos da esquerda e da direita. Por isso os aparelhos partidários da esquerda e da direita utilizaram o argumento da cor para o esconjurar. António Costa tem politicamente dois pecados: sendo de “cor”, não é um pobre explorado, um trabalhador da construção civil, um operário, um proletário. Sendo um “homem de cor”, é também um intelectual, um burguês. Não se enquadra nos estereótipos, incomoda uma certa esquerda e uma certa direita. Ele é alguém cuja “cor” lhe permite ser adoptado por minorias desfavorecidas como um dos seus e colher o seu voto. O que essa esquerda não pode admitir. E também visto como alguém que atingiu elevados patamares de sucesso “apesar da cor”. Isto é, ele é excepcional, o que uma certa direita não aceita, por ser um péssimo exemplo e um concorrente de peso. Daí a acusação que alguém lhe fez de se ter maquilhado de branco para uma entrevista na TV, como quem diz: ele está a fazer-se de branco, ele não é o “preto” que vos vai defender. Daí os comentários de fim de semana dos gurus da direita nas TV: Passos Coelho que se cuide, que se ouviram logo a seguir à votação. Daí ainda duas outras acusações: Uma: Costa é o “mainato” o criado de Sócrates (como é preto não pode ser patrão de si mesmo). Costa que diga qual é o seu programa (como é preto não tem nada na cabeça. Já agora, qual é o programa de Passos Coelho, o de Jerónimo de Sousa, o do Semedo e Catarina, ou até o de Seguro, para não falar no de Portas?)

A utilização do preconceito racista contra António Costa revela os limites da abertura ao mundo dos portugueses, os seus medos e, no final, a sua mesquinhez. Revela porque somos pobres e marginais. A expulsão dos judeus é considerada hoje uma das causas da nossa decadência e do nosso subdesenvolvimento, o preconceito racista está na mesma linha. Conheci Orlando Costa, pai de António Costa, escritor, linguista demérito, Aquino de Bragança, um dos grandes intelectuais que pensava o papel de Portugal no mundo que se reorganizava após a IIGuerra, ambos naturais de Goa;estudei num colégio com muitos colegas de África, quase todo o comité central do PAIGC – Filinto Barros, Fidélis Almada, heróis como Areolindo da Cruz… conheci intelectuais negros como Mário Cabral, como Mário Pinto de Andrade, percebo agora melhor porque os afastámos de nós, porque fizemos delesnossosinimigos na guerra colonial.

Perante o triste espectáculo do racismo latente, profundo, revelado na campanha contra António Costa, percebo hoje melhor o logro da chamada “política ultramarina” dos governos de Salazar e de Caetano. Parece-me agora evidente que Amílcar Cabral, sendo português, engenheiro agrónomo não podia ser chefe do governo de Portugal. Nem o médico Agostinho Neto. Nem o professor Eduardo Mondlane, nem nenhum dos portugueses de cor, mesmo que nascidos em Portugal, mesmo que formados em universidades portuguesas. Isto é, esses homens e mulheres não eram e sentiram que não eram portugueses. Eram Antónios Costas, que, logo que se apresentassem a disputar um lugar de poder para o qual estavam intelectual e profissionalmente capacitados, logo alguém lhes lembraria a cor da pele.

Esta campanha de racismo contra António Costa revela também a hipocrisia da homenagem nacional e verdadeiramente popular que foi feita a Eusébio. Um artista de cor? Excelente. Diverte-nos. Podemos exibi-lo. Um primeiro ministro de cor? Inaceitável. Coloca em causa a nossa matriz. Esta campanha explica ainda o racismo e o preconceito subjacente nas homenagens a “heróis da guerra do ultramar”. Heróis aclamados porque nunca entenderam os direitos dos “de cor” a discordarem dos brancos, a governarem-nos, se fosse caso disso, ou então a governarem-se sem tutelas.

Por isso, para esses, não é admissível ter na presidência do governo alguém de “cor”, mesmo que nascido em S. Sebastião da Pedreira, na Maternidade Alfredo da Costa (por acaso também ele um médico de “cor”), licenciado em direito pela universidade de Lisboa, mas filho de um intelectual e democrata Orlando Costa, descendente de goeses, brâmanes convertidos ao catolicismo. Isso é que não pode ser! Ofende a pureza do sangue celta, de onde saíram, pelo que vejo na televisão a cores, os loiros Passos Coelho, Paulo Portas, Paula Teixeira da Cruz, Maria Luíz Albuquerque, Carlos Moedas, o defunto António Borges, mas também Teresa Guilherme, a loiríssima Lili Caneças, Ricardo Espírito Santo, e até, segundo alguns quadros, o menino rei D. Sebastião, o responsável pelo maior desastre da nossa História.

__________

Obs: Carlos Matos Gomes tem, no plano literário, duas grandes virtudes: tem ideias sólidas e sabe comunicá-las de forma simples e ímpar. Nesse processo partilha sempre pequenas lições de História, Filosofia, Psicologia entre outras misérias da condição humana, como as que decorrem duma campanha racista e sórdida, por vezes dissimulada, dirigida ao actual edil da capital e, em boa parte, dirigida por jornalistas ressabiados que, durante um determinado período de tempo, ficaram desempregados e pensaram que o Expresso de Balsemão tinha lá um lugar especial na direcção para eles. Não tinha. 

É, aliás, essa mesma gente que ainda não conseguiu ultrapassar os complexos de inferioridade relativamente à homosexualidade, à sida e a outros aspectos e causas fraturantes que atingiram de perto alguns desses players menores que hoje julgam fazer jornalismo tentando, desse modo, ocultar um passado que ainda não conseguiram digerir. 

De facto, as pessoas morrem, mas os filhos não aguentam viver com um trauma tão pesado. O escape é encontrar no outro, no que é diferente, um bode (resp)iratório. 

_____________________


Etiquetas: ,

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home