segunda-feira

Aventuras e desventuras dum telespectador - por Eurico Heitor Consciência -


Nota prévia: Registo a tirada das meninas de serviço, sublinhada pelo autor do artigo, que diz: são só 60 cêntimos + IVA e poderemos ganhar com que pagarmos as nossas dívidas.
Doutro modo, o país desconhecia que os portugueses tinham dívidas. Parece que o Estado também.
_______________________________


Aventuras e desventuras dum telespectador

Tropecei por duas ou três vezes na discussão do Orçamento na Assembleia dos Deputados, que alguns, por desatenção (se não for por malandrice) chamam Assembleia da República ou Assembleia Nacional, e outros, mais informados, já crismaram de Assembleia dos Governados que estão governados.
A que ponto chegou o despudor!...
Carreguei no comando do televisor, a rezar para que me não aparecessem o Jorge de Jesus ou o Joaquim Rita ou aquele angolano cujo nome não me ocorre agora.
Não tive sorte : não me saltou nenhum desses, mas atacaram-me aqueles três distintos juristas que gastam horas a analisar se certa jogada envolveu falta que devesse ser punida com grande penalidade.
Passo adiante, porque doutras vezes aprendi que as conclusões daqueles três são sempre as seguintes : indesmentível grande penalidade, claríssima grande penalidade para o comentador que representa o clube que ganhou o jogo com essa grande penalidade; nem falta houve, quanto mais grande penalidade! Um roubo, foi o que foi, para o comentador que representa o clube que perdeu o jogo; as imagens não são inequívocas , não permitem conclusões num sentido ou noutro para o do terceiro clube. (Logo no começo os preveni : são todos juristas).
Carrego então para trás, rezando para que não me apareçam a Fátima Lopes ou o João Baião, nem nenhuma daquelas raparigas que estão constantemente a pedir-nos que telefonemos, que telefonemos, são só 60 cêntimos + IVA e poderemos ganhar com que pagarmos as nossas dívidas
O céu ouviu-me e não me atirou com o Baião e poupou-me à Fátima e às raparigas do telefone, telefone. Mas não me livrou da Simone a jurar que estava como se vê, jovem, fresca, bonita, pronta p’rás curvas e para romper meias solas, porque tomava cálcio a toda a hora. De seguida foi o desastre total : apareceram-me, em três minutos, um tal Perez Metelo, o Arménio Carlos, a Cristina Ferreira e o Goucha. Dose para cavalo!
Sucumbi.
 ___________________

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home