sexta-feira

Uma visita ao futuro: como será o mundo dentro de 100 anos?

Nota prévia: Pensar no futuro é um exercício de grande inteligência, pois dele resulta a melhor forma de melhorar o presente. Por isso, parabéns à Fundação Champalimaud por esta interessante iniciativa. 


________

Uma visita ao futuro: como será o mundo dentro de 100 anos? DN

Iniciativa da Fundação Champalimaud serva para assinalar os dez anos da instituição
Duas dezenas de cientistas, sociólogos, políticos e gestores reúnem-se, a partir desta sexta-feira, no Centro Champalimaud, em Lisboa, para debater o que será o mundo dentro de cem anos. A presidente da fundação Leonor Beleza e o antigo presidente do Brasil já abriram a conferência, que pode ser seguida em direto em live-streaming.
O encontro, de dois dias, junta ainda nomes como o antigo presidente de Portugal Jorge Sampaio e três prémios Nobel.
A iniciativa, para assinalar os dez anos da Fundação Champalimaud, tem como título "O desconhecido, a 100 anos de hoje" e centra-se nos temas "Medicina/Investigação Médica", "Ferramentas para o futuro", "Ciência" e "Liberdade, conhecimento e valores".
Uma criança que nasça este ano, que mundo irá encontrar em 2115? Irão as novas fronteiras da ciência, medicina e tecnologia mudar as sociedades? Irão os valores e a moral permanecer iguais? Estas são algumas questões que irão ser discutidas na conferência. E porque os avanços da medicina e da pesquisa médica terão sempre impacto, também foram convidados especialistas em neurociências, como António Damásio, Robert Horvitz (Nobel da Medicina de 2002), Michel Kazatchkine e Atul Butte.
Manuel Castells, cientista social, especializado em redes sociais, falará sobre que tipo de democracia pode surgir dentro de um século, e, sobre a evolução da tecnologia, especialistas norte-americanos e europeus debatem aquilo que consideram ser as "ferramentas para o futuro".
A Fundação convidou para isso um membro do Conselho da Microsoft, Padmasree Guerreiro, o presidente do Centro para a Política de Tecnologias Emergentes em Washington, Nigel Cameron, um professor da Universidade de Oxford, Luciano Floridi, e a ex-presidente do Conselho Europeu de Investigação, Helga Nowotny.
Da área da ciência estão presentes Gerry Gilmore, da Universidade de Cambridge, mas também Maria Ieptina (Organização Europeia de Biologia Molecular), José Goldemberg (Governo do Brasil) e o prémio Nobel da medicina Sydney Brenner.
Prémio Nobel mas da Paz, Shirin Ebadi, uma advogada iraniana, vai falar sobre a "liberdade, conhecimentos e valores" e o papel das mulheres na luta contra o fundamentalismo. Será o último painel de sábado, no qual estarão também Fernando Henrique Cardoso e Jorge Sampaio e o presidente do Instituto Muçulmano, Ziauddin Sardar.
________

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home