terça-feira

A Europa é cada vez mais um assunto de “política interna” - por Jorge Almeida Fernandes -


Nota prévia: Também em Portugal a questão grega ganhou foros de cidade. O alegado PM fez dela o seu cavalo de batalha, sendo mais troikista do que a troika a fim de mostrar serviço à sua patroa europeia, Merkel e, ao mesmo tempo, para justificar que a pobreza em Portugal em resultado da austeridade que, no seu trágico entender, deu frutos, pois o Estado, segundo a sua ministra das Finanças - "está de cofres cheios"; o PS, por contraponto, também exagerou na sua importância relativa, ao afirmar que se não fosse a sua oposição Portugal seria hoje uma 2ª  Grécia. Na realidade, foi o BCE quem injectou dinheiro nos bancos nacionais, e isso é um crédito do BCE e não do PSD nem do PS. Mas tudo isto é revelador da linha de argumentação correcta expendida no artigo infra: cada vez mais a Europa se internalizou nos discursos domésticos.

_________ 


A Europa é cada vez mais um assunto de “política interna”

Isto não inédito — basta pensar nos referendos franceses sobre Maastricht ou a Constituição europeia. Mas observamos agora um salto qualitativo e uma novidade: a Grécia passou a ocupar um lugar fulcral na luta política noutros países, já não é apenas uma crise, é também uma causa. Alexis Tsipras e o "não" são aplaudidos por opositores da "austeridade" e da Alemanha, por figuras de direita ou extrema-direita, do inglês Nigel Farage à francesa Marine Le Pen, mas sobretudo na área da esquerda radical.
O símbolo Grécia
O referendo grego teve uma cobertura mediática excepcional e uma repercussão política em quase toda a Europa, escrevia ontem Federico Fubini, editorialista do Corriere della Sera. "O drama da Grécia projectou-se sobre outros países com uma potência emocional sem precedentes, mas mais na Itália e em Espanha porque nestes países encontrou um apoio mais forte: o Movimento 5 Estrelas [de Beppe Grillo] e o Podemos [de Pablo Iglesias]."

Há outro aspecto: "Nestes dias, a capital grega tornou-se o destino de milhares de militantes e tifosi da política que acorreram a participar, a respirar o ar, a apoiar Tsipras. A peregrinação de Beppe Grillo [a Atenas] foi o caso mais estridente", prossegue Fubini. Atenas foi nestes dias uma nova Meca.
A vitória do "não" mobilizou os adversários do primeiro-ministro Matteo Renzi, a braços com a aprovação da reforma do Senado. Massimo d’Alema, antigo líder da esquerda italiana, aproveitou o referendo grego para atacar Berlim e, indirectamente, Renzi. Para este, o problema grego é "de política interna", escreve o La Repubblica. "A Internacional anti-euro que acorreu a Atenas para festejar Tsipras e a vitória do ‘não’ juntou os inimigos jurados do primeiro-ministro." E os que vêm do seu próprio partido, o Partido Democrático, são "uma ameaça muito mais concreta para Renzi".
Na Itália, a Europa tem sido um dos temas duros das últimas campanhas eleitorais. Crescem os índices de eurocepticismo, à esquerda e à direita, impulsionado pelo movimento de Beppe Grillo, e pela Liga Norte, de Matteo Salvini — que copiou a linha política de Marine Le Pen. Grillo quer agora “um referendo também para nós.” Salvini concorda.
Le Pen e Mélenchon
Também em França a Grécia se tornou num "assunto interno". A Frente Nacional recebeu triunfalmente a vitória do "não" como confirmação da sua política. Declarou o seu ideólogo Florian Philippot: "É o princípio do fim do euro." Marine Le Pen falou numa "rebelião contra os diktats europeus, que pretendem impor a moeda única a qualquer preço, através da austeridade mais desumana e contraprodutiva".

À esquerda, Jean-Luc Mélenchon, antigo candidato às presidenciais pela Frente de Esquerda, foi grandiloquente: "É uma nova página que vai começar na Europa. Os gregos resistiram, fizeram-lhe frente e agora podemos começar a discutir seriamente."
Se Mélenchon conta pouco, diferente é o estatuto de Marine, que pretende capitalizar o referendo grego. Reconhece as diferenças em relação ao esquerdismo de Tsipras mas resolve o problema colocando-o no "campo dos patriotas". Apelou a uma "dissolução concertada da moeda única, condição para o regresso ao crescimento".
Mas tem um problema que a obriga a ser prudente. A FN precisa da simpatia dos eleitores da UMP, de Sarkozy. Ora, 85 por cento deles são indefectíveis partidários do euro. Na própria FN, 37% dos simpatizantes querem ficar no euro. Marine é solidária com Tsipras mas não em tudo: a Grécia deve reembolsar as dívidas e pagar os 40 mil milhões que deve à França.
É inútil acrescentar que o "não" é usado contra Hollande. A direita exige que seja implacável com Tsipras. A esquerda do PS pede-lhe que mude de política e se demarque de Berlim.
O caso Podemos
Há dias, a revista Forbes titulou assim um artigo sobre a crise da zona euro: "O espanhol Podemos pode fazer com a Grécia pareça uma brincadeira de crianças." A argumentação é simples: num grande país do Mediterrâneo está a emergir uma ameaça maior de extrema-esquerda, que já domina Madrid e Barcelona. A Espanha é a quarta economia do euro e representa 13% do seu PIB.
________


Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home