segunda-feira

Vergílio Ferreira - Manhã submersa

O livro: há muito tempo que olho para este livro e sinto que te pertence, não me perguntes porquê...
______________


É como se caminhasse contigo a meu lado, caro Vergílio Ferreira
MaL-Cig., k

(...) Quando algum de nós se afastava para dentro de si próprio, logo a vigilância alarmada dos prefeitos o trazia de rastos cá para fora. Os superiores sabiam que, à pressão exterior, cada um de nós podia refugiar-se no mais fundo de si. Como sabiam também que a descoberta de nós próprios era a descoberta maravilhosa de uma força inesperada. Nenhuns sonhos se negavam ao apelo da nossa sorte, aí na nossa íntima liberdade. Por isso nos expulsavam de lá. Mas, uma vez postos na rua, havia ainda o receio de que as nossas liberdades comunicassem de uns para os outros e ficassem por isso ainda mais fortes. E assim nos obrigavam a integrar-nos numa solidariedade geométrica, ruidosa e exterior como de ladrilhos.
_______________


**********K********
_________________________
______________
__

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home