domingo

O passaporte para o futuro de Miguel Macedo




O dr. Miguel Macedo percebeu que o seu "passaporte para o futuro" não passará mais pela permanência no XIX Governo (in)Constitucional. A política oportunista de vistos para chineses, à la carte, concebida e executada pela seu colega, Paulo Portas, comportava tantos alçapões, tantos desvios, tantas omissões e facilidades que, na sua interpretação e implementação - geraria uma discriminação positiva duns (os chineses com dinheiro) - contra a discriminação negativa doutros (os demais estrangeiros que não tivessem grandes montantes para investir) no sector imobiliário no rectângulo e cujo modelo de investimento é tipicamente terceiro-mundista.

Acresce que a fronteira ténue entre as relações pessoais e a esfera pura da política é, por vezes, indefinida. É como o círculo de Pascal, está em todo o lado e não está em parte nenhuma. Todos os amigos pessoais de Macedo, colocados na alta administração pública, estão hoje a falar mandarim diante o Ministério Público, pelo que seria insustentável a manutenção de quem os nomeou no cargo de MAI. Uma pasta altamente sensível que tutela as "secretas" e as polícias - que hoje estão em guerra para ver quem é que consegue impor um padrão de legalidade/normalidade perante a corrupção que se generalizou em Portugal. 

À mulher de César não basta parecê-lo... 

Macedo sabe que os indícios são mais do que indícios, e que aquelas ligações com aquelas pessoas e imobiliárias não tinham fins humanitários nem faziam filantropia. Macedo sabe mais do que qualquer um de nós. E sabendo o que sabe, para se proteger a si ao Governo que ainda integra, deverá sair pelo seu pé - antes que seja empurrado e esmagado pelas próprias circunstâncias, por vezes ditadoras. 

Mesmo nunca tendo sido pessoalmente visado pelas investigações, tal não significa que não o venha a ser de futuro, e, se assim for, Macedo - já liberto de funções políticas - estará em melhores condições de liberdade - politica e pessoal - para colaborar com a justiça no apuramento da verdade.

Caso queira, naturalmente!!!

Em rigor, Macedo é uma metáfora menor deste cadáver adiado que alguns ainda - prosaicamente - designam de Governo. O qual só existe por estar ligado ao ventilador de Belém. 

Quem, de facto e de iure, se deveria demitir era o Governo, e mesmo que o fizesse ontem já seria tarde. 


_______________


Etiquetas: , , ,

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home