terça-feira

Mão no Poder - por Paulo Morais -







Assim, estes grupos conseguiram trazer até ao século XXI, incólume, a lógica feudal, a tradição de atribuição de prebendas aos poderosos. Com uma diferença. Enquanto no tempo do feudalismo o rei atribuía privilégios que consistiam na doação de benefícios económicos (terras), a par de poder político (títulos), hoje apenas se concedem favores económicos. Assim, estes grupos mantêm o poder sem os incómodos do escrutínio democrático. Sabem que mais importante do que ter o poder na mão é ter a mão no poder. Até porque sempre influenciaram a política. Conseguiram-no no tempo de Salazar, através do fascínio que Ricardo Espírito Santo exercia sobre o ditador. Em democracia, contratam políticos de todas as tendências. Eanistas como Henrique Granadeiro, socialistas como Manuel Pinho ou social-democratas como Catroga. 


___________

Obs: Paulo Morais em três ou quatro parágrafos historia a evolução do comportamento de alguns banqueiros influentes em Portugal, explicitando a sua forma de actuar e o modo como tornavam reféns Estados e populações. 

O que aqui é dito, e isso é mérito do conhecido activista anti-corrupção, é válido para o que hoje se passa na banca e explica os desaires de grupos financeiros e, mais grave, explica por que razão em Portugal os portugueses pagam tantos impostos: porque são escravos destes contratos leoninos que o Estado é forçado a fazer com estes grupos financeiros que muito lesam o povo português. 

Chegou a hora de dizer basta, fazer actuar a justiça e meter na cadeia quem para lá deva ir, renegociar os contratos ruinosos que o Estado tem com essa gentalha e, por último, baixar significativamente os impostos.

Por fim, estabelecer novos códigos de conduta que permitam ver e rever todos os contratos que o Estado possa vir a fazer com esses grupos financeiros poderosos que têm enriquecido à custa do erário público, ou seja, através do empobrecimento do povo português. 

Afinal, não se compreende o que anda a fazer o Tribunal de Contas, essa lesma que passa pelos intervalos da chuva na democracia e no rule of law em Portugal. 

______________


Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home