segunda-feira

Evoc. de Eugénio de Andrade




A boca 



A boca,
onde o fogo 
de um verão
muito antigo cintila,
a boca espera
(que pode uma boca esperar senão outra boca?) 
espera o ardor do vento
para ser ave e cantar.

Levar-te à boca,
beber a água mais funda do teu ser 
se a luz é tanta,
como se pode morrer?


Eugénio de Andrade

____________________________________

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home