quarta-feira

Um poema que vale um ministro - por Luís Castro Mendes -




"Nós vivemos da misericórdia dos mercados.
Não fazemos falta.
O capital regula-se a si próprio e as leis
são meras consequências lógicas dessa regulação,
tão sublime que alguns vêem nela o dedo de Deus.
Enganam-se.
Os mercados são simultaneamente o criador e a própria criação.
Nós é que não fazemos falta."


Luís Filipe Castro Mendes,in A Misericórdia dos Mercados(2014)



________________

Etiquetas:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home